A mulher de preto  

Posted by Henrique Barbosa in , , ,

Carlos, um amigo que eu não via há muito tempo ligou convidando para almoçar, trabalhávamos no centro. Convidou também ao Pedro, Joaquim e Danilo. Carlos era ex-gordo, conhecia os melhores restaurantes da cidade.
Ele fez reservas em uma temakeria na Galeria Metrópole, disse que seria impossível conseguir um lugar lá em plena sexta feira sem reserva. Nossa mesa era fora, num canto tranquilo. Nunca gostei muito de temaki, olhava para o cardápio e não demorei muito para escolher o de salmão. Carlos não conseguia decidir qual era melhor. Enquanto isso, três garotas entraram no perímetro e pegaram uma mesa do outro lado, o lado movimentado, mas de frente para a nossa. Eram garotas normais, atraentes. A mais bonita era morena, usava um vestido preto, curto, que realçava a palidez da sua pele.


Começaram os comentários sobre elas na mesa, nada de mais, mas logo deram espaço para outros assuntos mais corriqueiros, os resultados do campeonato de futebol, os novos jogos de vídeo game que estavam para ser lançados, o andamento dos projetos que trabalhávamos. O lugar estava cheio, e quando enfim fizemos nosso pedido Joaquim, que estava sentado à cabeceira da mesa pediu para não olharmos ainda, e disse que a mulher de vestido preto estava sentada com as pernas abertas. Todo mundo sabe (ou deveria saber) que pedir para não olhar é o mesmo que pedir para olhar escrachadamente. As quatro cabeças giraram em sincronia em direção à outra mesa. Ali, entre aquelas pernas brancas e o vestido preto pontava claramente a calcinha rendada, rubra como uma maçã, e que imediatamente atiçou todos da nossa mesa. Pedro o mais brincalhão e que estava sentado de costas para a outra mesa levantou de uma vez e olhando para Joaquim disse: - Cara, o cardápio está aí? - Antes de ouvir a resposta ele emendou - Pode deixar, vou até aí. - E levou sua cadeira junto. Nesse meio tempo nossos pedidos haviam sido entregues. Ríamos, bebíamos e olhávamos, principalmente olhávamos. Não admitíamos mas toda a nossa atenção estava centrada entre aquelas pernas. Pedro disse que se levantaria, levaria o celular desbloqueado até a mesa e diria – Moça, seu número por favor – todos sabíamos que ele não faria isso, mas ele jurava que faria assim que terminasse de comer. Ela parecia não perceber os olhares, às vezes dirigia um olhar fixo para nossa mesa, mas então continuava conversando e rindo com as amigas como se não estivéssemos lá. Havíamos terminado o horário de almoço, pagamos a conta e antes de chegar ao escritório já havíamos esquecido da moça.

6 horas antes...

Ela acordou com tesão, sentou na cama como fazia todos os dias, pensando em todo o cronograma do dia. Levantou, tomou banho, penteou os cabelos, o tesão não passava. Ela estava sozinha há algum tempo e decidiu que aquele seria um bom dia para se divertir e conhecer alguém, estava cansada das mesmas pessoas. Escolheu um vestido preto, não gostava de vestidos curtos como aquele que comprara por impulso, sempre fazia isso. Pôs uma calcinha rendada, por experiência sabia que os homens adoravam ver mulheres usando peças delicadas, e vermelha por que o vermelho desperta instintos primitivos.
No trabalho o tempo demorava a passar. Os homens a olhavam, mas ela já havia vivido o suficiente para saber que não deveria se envolver com alguém do trabalho. Pouco antes do almoço as meninas decidiram que experimentariam aquela temakeria que todos estavam comentando. Ela adorava temaki, o tesão não cedia. Chegando lá viu a oportunidade, cinco caras na outra mesa. Entrou em ação, conversando, rindo passando a impressão de que era feliz, independente. Funcionou, eles a perceberam. Escolheu com cuidado o lugar para que eles pudessem vê-la.
Na primeira oportunidade afastou um pouco as pernas, o suficiente para que o vermelho de sua calcinha fosse notado. Um deles mordeu a isca e agora ela poderia sentir todos os olhares, fingia não ver enquanto ria com as amigas sobre a cena da novela que acompanhavam. Sentia-se desejada e isso só aumentava seu próprio desejo. Agora era só esperar que algum deles tomasse a iniciativa.
Um deles havia mudado de cadeira para ficar de frente para ela, o que ele estava esperando para ir até lá? O desejo só aumentava enquanto esperava. Nenhum deles tomava a alguma atitude, até que então um se levantou e foi em direção à sua mesa. Enfim seria recompensada por sua ousadia. Os outros fizeram o mesmo, mas todos passaram direto, pagaram a conta e foram embora sem olhar para trás.
Qualquer outra pessoa sentiria um golpe na autoestima, mas ela não. Eles saíram perdendo, ela teria uma longa tarde pela frente e quem sabe teria mais sorte no bar depois do expediente?

This entry was posted on terça-feira, 17 de março de 2015 at 18:30 and is filed under , , , . You can follow any responses to this entry through the comments feed .

2 comentários

Nossa, me lembro uma vez, vi uma situação muito parecida uma vez que fui a uma churrascaria, essas coisas sempre acontecem com as pobres e descuidadas moças, os homens sempre ficam afoitos, mas raramente têm coragem de se aproximar, seria para dar continuidade a cena e não serem xingados pelos colegas?

agosto 05, 2015

Não sei, acho que este tipo de mulher decidida assusta a maioria das pessoas.

agosto 05, 2015

Postar um comentário